3b – Sou Barco

excerto da canção

 

 

(Nota sobre este poema inserta na capa do disco em francês: António Borges Coelho a été incarcéré pendant six ans à Peniche, forteresse-prison au bord de la mer. C´est là quíl écrit ce poème.)

 

 

Sou barco abandonado

Na praia ao pé do mar

E os pensamentos são

Meninos a brincar.

 

Ei-lo que salta bravo

E a onda verde-escura

Desfaz-se em trigo

De raiva e amargura.

 

Ouço o fragor da vaga

Sempre a bater no fundo,

Escrevo, leio, penso,

Passeio neste mundo

De seis passos

E o mar a bater ao fundo.

 

Agora é todo azul,

Com barras de cinzento,

E logo é verde, verde,

Seu brando chamamento.

 

Ó mar, venha a onde forte

Por cima do areal

E os barcos abandonados

Voltarão a Portugal.

 

 

 

 
 

Poesia de

António Borges Coelho

Canções neste disco:

 <Anterior  -  Seguinte>

 

página inicial

 

Aqui poderá ouvir a versão desta canção inserta no LP "Meu País", 1973

 

 

 

 

 

E aqui (clique na imagem) poderá ver no youtube uma gravação na TV francesa do Luis Cília a cantar esta canção (1966)

 

 

 

ou poderá ver, também  no youtube, uma das suas últimas apresentações ao vivo, no Palau de Sant Jordi, Barcelona em Abril de 1993, num espectáculo de homenagem a Raimon

A canção “sou barco”  foi interpretada/divulgada em Portugal no regime fascista pelo cantor Adriano Correia de Oliveira no seu disco de 1967 – LP SB 1018 da etiqueta Orfeu. Esta canção também foi interpretada por Mário Rovira e o grupo "Fura Fura". Clique na imagem do disco para ouvir esta interpretação.

O Grupo de Fados dos Antigos Orfeonistas decidiu em 2009, reunir temas musicais que habitualmente interpreta e que percorrem os últimos cem anos do Fado de Coimbra. João Pinheiro interpreta neste cd "sou barco". Clique na imagem do disco para ouvir esta interpretação.

Miguel Guedes, vocalista do grupo Blind Zero, e no âmbito de um tributo a Adriano Correia de Oliveira (2007), interpretou a canção "sou barco". Clique na imagem do disco para ouvir esta interpretação.