1º versão da canção do single  "Novembro":  

Se deseja dar a sua opinião sobre Luis Cília e a sua obra envie um mail

(leonardo.verde@gmail.com)

 

   excerto da canção: 

 5b – A festa nunca acaba

       (ao Chico Buarque)

 

 

 

Tanta gente a cobiçar este jardim

que as flores quase se fanam de enxerto.

Mas nas ruas ainda cheira a alecrim

e não se acaba a festa com tão pouco.

Tu dizes: Tanto Mar. Mas é tão certo

estarmos em festa amanhã de novo.

 

Há tanto que fazer depois da festa

que a festa vira luta a céu aberto,

contra o ninho monstruoso que nos cresta

a memória passada dos escombros.

Colar de palavras sobre os ombros...

Tu dizes: Tanto Mar. Mas é tão perto...

 

Há quem ache a festa ameaçadora.

Por ser festa a valer e por ser nossa.

Deixa Chico, pá, não perdes pela demora

Hei-de passar de novo ao arraial.

- Alecrim queimado em Portugal -

e mando-te um cheirinho assim que possa.

 

Caixa de texto: "Memória"

 

Caixa de texto: Poesia de
Manuel Correia

Caixa de texto: luis cilia
 

Canções neste disco:

 

      <Anterior - Seguinte>

 

 

página inicial