Se deseja dar a sua opinião sobre Luis Cília e a sua obra envie um mail

(leonardo.verde@gmail.com)

 

   excerto da canção: 

2b – A Traidora

 

 

 

 

Ai que vida mais triste. ando mesmo abatido,
Vi hoje a minha amante nos braços do marido,
Já não quero viver, após tal decepção
E ando mesmo a poupar p'ra comprar um caixão.
Ai, Aurora! Traidora!


Já não tenho palavras, fiquei sem argumentos,
Ela quer abusar dos meus bons sentimentos.
Abraçada àquele tipo diante de mim,
Perante tal ultraje. isto não fica assim.
Ai, Aurora! Traidora!
 

Eu nem sei que fazer neste mundo malvado,
Já se diz por aí: «O Lulu é veado»
E p'ra me chatear, disse-me ela uma vez:
«O mais corno dos dois, não é aquele que tu crês!»
Ai, Aurora! Traidora!


Mas que raio me deu, p'ra não desconfiar,
Da enorme traição que pairava no ar,
Porque os filhos que tem, fui eu quem os quis,
O que há dias nasceu, não tem o meu nariz.
Ai, Aurora! Traidora!


Se te apanho outra vez nessa pouca vergonha,
Ai que não me contenho, dou-te cabo da fronha.
Escolher o marido p'ra enganar o amante.
É levar o adultério ao ponto culminante.
Ai, Aurora! Traidora!

 

Caixa de texto: "Contradições"

 

Caixa de texto: Poesia e Música de
George Brassens
(adap. Luís Cília)

Caixa de texto: luis cilia
 

Canções neste disco:

 

      <Anterior - Seguinte>

 

 

página inicial