Se deseja dar a sua opinião sobre Luis Cília e a sua obra envie um mail

(leonardo.verde@gmail.com)

 

   excerto da canção: 

4b – Variações populares

 

 

 

 

Não espero pouco da vida,

se dela não espero nada.

Por isso tudo o que tenho

me sabe a coisa emprestada.

 

O medo que à vida a vida

nos dá de tanto a vivermos,

faz que a morte tenha medo

do medo de não morrermos.

 

O tempo é medo que passa

o medo é tempo que fica,

a esperança que não espera

é pobre de um, e mais rica.

 

Não espero pouco nem muito,

não quero muito nem pouco,

quero só a liberdade

de ter juízo e estar louco.

 

Não sei se é muito ou se é pouco

o que a vida me tem dado;

é sempre mais o que eu quero

para não par'cer tirado.

 

Não espero pouco da vida

pois dela não espero nada.

Por isso tanto desejo,

sem que a tenha contentada.

 

Tudo o que a vida me dá

tenho medo de perder:

e, mesmo quando não perco,

é como ter e não ter.

 

 

 

 

Caixa de texto: "Sinais de Sena"

 

Caixa de texto: Poesia de
Jorge de Sena

Caixa de texto: luis cilia
 

Canções neste disco:

 

        <Anterior  -  Seguinte>

 

 

página inicial