esta faixa foi reeditada no cd colectânea

4a – Dia não

  excerto da canção: 

 

 

 

 

 

De paisagens mentirosas

de luar e alvoradas

de perfumes e de rosas

de vertigens disfarçadas.

 

Que o poema se desnude

de tais roupas emprestadas

seja seco, seja rude

como pedras calcinadas

 

Que não fale em coração

nem de coisas delicadas

que diga não quando não

que não finja mascaradas

 

De vergonha se recolha

se as faces tiver molhadas

para seus gritos escolha

as orelhas mais tapadas

 

E quando falar de mim

em palavras amargadas

que o poema seja assim

portas e ruas fechadas

 

Ah! que saudades do sim

nestas quadras desoladas.


 

 

luis cilia

Canções neste disco:

 <Anterior  -  Seguinte>

 

página inicial

Poesia de

José Saramago

 

 

 

Aqui (clique na imagem) poderá ver no youtube uma gravação de "dia não" numa das suas últimas actuações ao vivo, no Palau de Sant Jordi, Barcelona, em Abril de 1993, aquando da homenagem a Raimon

 

 

 

 

 

 

 

Caixa de texto: "La poésie portugaise de nos jours et de toujours – 1"

 

 

 

 

 
 
A canção “Dia não”  foi posteriormente interpretada por Manuel Freire.