Se deseja dar a sua opinião sobre Luis Cília e a sua obra envie um mail

(leonardo.verde@gmail.com)

 

   excerto da canção: 

1a – O adeus d 'um proscrito

 

 

 

 

Canção do século XIX.0 autor desta poesia (José Pinto Rebelo de Carvalho)emigrou para
a Inglaterra depois do malogro da revolta de 1820,e mais tarde, estabelecido o sistema
liberal,entrou na Magistratura Judicial.
O compositor é desconhecido.

Rompe a aurora: adeus, Esposa...
Oh! cruel adeus extremo!
Sinto o compassado remo
Estas águas já cortar;
Mais não posso demorar-me
Eis a hora d'embarcar.

Lá m'espera sobre as ondas
O veloz Baixel britano:
Vamos ver se no Oceano
Doce abrigo posso achar.
Mais brandura que na terra
Lá talvez hei-de encontrar.

Vou fugir fúrias que infestam
Desgraçada Lusitânia:
Na feliz, culta Britânia
Meigo asilo encontrar:
Pai, irmãos, amigos, tudo
É forçoso abandonar.

Ah! não chores, que meu peito
Vil remorso não oprime:
Culpas não tenho; é meu crime
Um nobre, um livre pensar.
É-me glória a fatal lista
Dos proscritos aumentar.

Baixos, cruéis instrumentos
Da Ignorância e da Maldade,
A que negra atrocidade
Nós os vimos entregar!
Tão execrandos delitos
É tormento recordar.

Mas oh! dor, onde me levas?
Fugir só cumpre: é já dia...
Dos Nautas a gritaria
Vai as velas levantar.
Parto, adeus oh! Esposa oh! Pátria...
Não posso mais que chorar.

 

Caixa de texto: "O Guerrilheiro"

 

Caixa de texto: Poesia de
José Pinto Rebelo
de Carvalho

Caixa de texto: luis cilia
 

Canções neste disco:

 

        <Anterior  Seguinte>

 

 

página inicial

 

 

Esta faixa foi reeditada no disco "Cancioneiro" mas com melhor qualidade sonora. O excerto sonoro aqui colocado é do disco "Cancioneiro".