Caixa de texto: La poésie portugaise de nos jours et de toujours – 2 
 
(LP - Moshé-Naim MN10005 - 1969 – França) há uma edição com capa em tons cinza e outra em tons azuis.
(LP - Moshé-Naim/Polydor 23 85 008 - 1973 – Espanha)
 
 
 
 
A edição espanhola (ver capa ao lado) tem como base uma primeira compilação feita pela Luís Cília mas não editada em França. Assim, e esta edição espanhola era desconhecida do Luís Cília até agora (2010) contém duas faixas originais que não constam na edição francesa, em substituição de três que são retiradas, a saber:
faixa 3 - "Canção do Soldado (no cerco do Porto)" - Poema de Urbano Tavares Rodrigues - note-se que erroneamente é assinalado no disco espanhol que esta faixa é de autoria de Manuel Teixeira Monteiro e música de Francisco Gouveia. Na verdade estes dois compositores fizeram na década de sessenta uma canção  com o mesmo título que esta mas com sentido histórico diferente, já que a mesma apelava ao louvor do soldado português em luta em Angola. Esta canção a música é do Luís Cília.
faixa 11 - "Canção para uma virgem", esta canção, por sinal muito bela, não é indicado no disco espanhol quem é o autor do poema. A música é, como sempre, de Luís Cília.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
As canções inéditas da edição espanhola de 1973:
 
 
 
 
 
 
 

Caixa de texto: luis cilia

Caixa de texto: Ficha Técnica:
 
Luís Cília 
- Música, canto e guitarra
François Rabbath
- Contrabaixo
Dominique
- piano 
 
Ilustração de H. Vieira da Silva
Fotos: Alain Appérè
Tradução: Jorge Reis
Eng. de som: Jean-Pierre Dupuy

Caixa de texto: Lê– se no texto inserto na capa:
 
« Bien qu’ exilé en France depuis plusieurs années, Luis Cìlia reste—tant par sa musique que par les poèmes qu’il choisit—profondément portugais.
Cette poèsie portugaise est de « NOS JOURS ET DE TOUJOURS » les poètes choisis dans cette album sont tous contemporains. C’est à travers de sa musique et sa voix qu’il nous les transmet comme un long chant déchiré mais plain déspoir envers les hommes… tous les hommes. »  
 
Note-se que este disco é ilustrado interiormente com uma pintura original de Helena Vieira da Silva dedicada a Luis Cilia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
As canções “Canção” e “Carta a Ângela” foram posteriormente interpretadas e gravadas por Manuel Freire (1978).









A canção “O Menino de sua mãe” foi posteriormente interpretada e gravada por Andrea Imaginario (Venezuela - 2013).

     <  disco  >          página inicial

Caixa de texto:  50 anos de música

Canção do soldado (no cerco do porto)

1.55

Urbano Tavares Rodrigues

Canção para uma virgem

2.10

 

Há-de haver

2.27

José Saramago

O menino de sua mãe

2.28

Fernando Pessoa

Boda Pagã  *  na edição espanhola esta faixa é substituída pela canção "Canção do Soldado" - poema de Urbano T.Rodrigues

2.13

Francisco Delgado

Canção

1.56

Fernando Morgado

O cavador

3.01

Guerra Junqueiro

Pátria        * não existe esta faixa da edição espanhola

2.15

Afonso Duarte

Orfeu Rebelde

1.37

Miguel Torga

Carta a Angela

2.14

Carlos Oliveira

A estrela

1.46

Carlos Oliveira

O viandante

2.15

Carlos Oliveira

Há lágrimas nos teus olhos

1.47

Carlos Oliveira

Não me peçam razões    * na edição espanhola esta faixa é substituída pela canção "Canção para uma virgem" -

2.13

José Saramago

Margem esquerda

2.06

Urbano Tavares Rodrigues

Dies Irae

2.04

Miguel Torga

Os sons de excertos das canções  são provenientes das bobines originais da gravação do disco (ADD) à excepção de três delas.(ver *)

 

Da imprensa (rádio online):

 

O programa online "cantos da casa", na rubrica "Águas passadas que movem moinhos" do site www.esquerda.net/radio, tem evocado ao longo das suas emissões os discos portugueses da resistência. Aqui poderá ouvir um excerto do mesmo (programa 64)relativamente a este disco.

 

 
 
capa da edição espanhola de 1973